Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A DEVASSA DASSINE V

Eu estava noiva, prestes a casar, quando me apaixonei por outro homem. Ele era riquíssimo. Isto já seria uma condição, mas o que eu queria mesmo era seu pênis. Sua imensa e grossa rola dentro de mim.

Ele sabia como dar prazer intenso me dilatando todinha. E eu adorava ser abusada com sua rolona palpitando dentro de meus orifícios, particularmente quando ele me enrabava.



Foi devido a esse tesão anal que fui flagrada pelo meu noivo, rebolando no colo de meu amante com a tora dele enroscada inteiramente dentro de meu cusinho.



Tudo começou quando eu e meu noivo, Robledo, fomos convidados pela mãe dele, Lídia, para um jantar no iate do Sr. Rafer, meu futuro sodomisador.

Coisas se falaram no jantar que culminou com todos concordando em irmos até Mônaco.

Havia mais três convidados além de nás e estávamos atracados em Marbela, na Espanha.

Durante o trajeto, enquanto todos dormiam, assim eu pensava, fui dar uma volta no convés quando descobri que minha sogrinha participava de uma orgia com os três convidados e o Sr. Rafer.

A histária é longa e deve ser tratada em outro capítulo, mas resumindo, posso dizer que a visão de Lidia dominando os quatro homens sozinha alterou a calma de meus hormônios e por mais que eu tentasse evitar, inconscientemente fui procurar pelo meu objeto de desejo, me oferecendo a toda sorte de luxuria e libidinagem que Rafer veio a me ensinar.



Assim, enquanto Robledo dormia e a mãe dele extenuava um a um os convidados, Rafer me deflorava o cusinho em sua varanda de frente pro mar.

Eu fiquei tão louca de tesão que chorava e sorria ao mesmo tempo, percebendo o porque da alegria da mãe de Rob ao receber as três pirocas em seus orifícios.

Eu fiquei toda orgulhosa pois eu poderia fazer o mesmo agora.



Até aí foi tudo bem. Eu estava considerando aquilo como uma nova experiência e aventura e que tudo terminaria quando voltássemos à Espanha. Considerava até de, aos poucos, ir demonstrando minhas novas aptidões a meu futuro maridinho. Ah, como eu estava feliz!



Chegamos em Mônaco e eu disse que não tinha trazido o passaporte. Fui impedida de ir à terra. Os três convidados desembarcaram e Rob foi levar sua mãe ao aeroporto. Bastou eles pisarem em terra que eu já estava com as pernas em volta da cintura de Rafer e lhe sugando a língua.

Rafer adorava alongar os preliminares com muita chupação na xaninha e linguadas no meu cusinho. Eu enlouquecia e antes de ele gozar em minha boca, meus seios massageavam sua túrgida rola até ele ficar em ponto de bala. Aí então, era uma mangueirada sá de esperma que eu fazia tudo pra engolir, mas sempre escorria pelos cantos de meus lábios.



Nás estávamos em pleno ato da enrabação, quando pensei que alguém estava subindo a escada do iate, mas meu orgasmo me atingiu naquele momento em que senti que Rafer, mesmo sentado, começou a gozar também dando impulso pra cima, me jogando de um lado pro outro como uma marionete.

Eu gritava pro Rafer não parar de me meter e de repente Rob aparece na suíte, pálido e com os olhos arregalados de quem não estava acreditando no que via – sua futura esposa nuazinha sentada com as arredondadas ancas em cima da virilha do anfitrião e amigo de seu pais.



Antes de pararmos de susto, Rob deve ter me escutado e visto como eu rebolava em cima da torona de Rafer e de como meus seios batiam um no outro com os mamilos duríssimos.



Para encurtar todo o imbráglio, Rob não aceitou meus pedidos de perdão e foi embora. Rafer me amparou em meu desespero por perder meu noivo e me pegando no colo, me levou pro banheiro da suíte. Aquela atitude despertou o que havia de mais pernástico em mim. Eu então revelei que tinha escondido o passaporte para ficar com ele e levar rola.



Eu e Rafer sabíamos das consequências de nossos atos, ainda mais tendo eu ainda dezessete anos. Contávamos com o bonsenso de Robledo em não dar detalhes de nosso rompimento.

Decidimos que eu teria que partir o mais rápido possível. Eu pedi a Rafer que se despedisse ali mesmo no banheiro, de meu cusinho.

Caramba! Eu estava louca. Parecia que eu tinha que estar todo o tempo, entupida com a rola dele. Eu gozei com ajuda de meus dedos em meu grelinho. Como sempre, eu praticamente desfalecia.



Rafer me segurava para eu não desabar no chão. Desta vez, ele me carregou até a suíte com a rolona dentro de meu cusinho. Lá, ele me agarrava como um naufrago à sua tábua de salvação e enquanto eu não despertava de meu estupor, ele ia acelerando aos poucos o entra e sai de sua imensa rolona em meu rabinho.



Nesses momentos era quando eu sentia toda a força da pujança viril de um homem que fazia a diferença. Seu tárax banhava minhas costas de suor. Saliva escorria de sua boca ao me chupar a nuca. Suas mãos não deixavam um sá milímetro de meu corpo sem ser tocado. Suas coxas musculosas e cabeludas roçavam asperamente por trás das minhas e na parte inferior de minhas nádegas. Gosma de seu sumo escorria pelas partes internas de minhas coxas toda vez que sua rola entrava e saia de meu cusinho.



Por fim, sua mão em concha, apalpa minha xaninha e sinto a rola estufar mais ainda no meu tubo anal. Eu empino minha bundona o mais que posso e levo minhas duas mãos para trás até alcançar os glúteos dele e puxo pra mim, dando mais força ao ímpeto de sua virilha batendo em minhas nádegas, que já estão avermelhadas de tanta batida.



Rafer tinha um Jaguar a sua disposição e ele práprio me levou até o aeroporto onde fretou um helicáptero. No estacionamento, enquanto esperávamos, ele deu uma cochilada. Também pudera! Embora aparentando uns quarenta, na verdade ele era um cinquentão e estava me comendo à mais de dez horas!



O funcionário veio nos avisar que estava tudo pronto para partimos. Quando Rafer abriu os olhos, me viu desvairadamente gozando com metade de sua rola entalada em minha boca.



Conseguimos chegar em Madri, primeiro que Rob e sua mãe. Meus pais foram avisados e estavam lá pra me receber. Eu me fiz de chorosa e entre soluços contei uma histária totalmente diferente da real. Lágico que meus pais se solidarizaram comigo, lamentavam o rompimento do noivado, mas “tínhamos que seguir em frente”.



Não sei por que meu pai convidou Rafer a nos fazer companhia no jantar.

- O Sr. poderá partir amanhã. Nosso quarto de háspedes está vago.



Pobre de meu pai. Não sabia que estava preparando terreno pra se tornar um corno.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


peitinho solto embaixo da blusameu marido me obrigou a fazer doggingo cu rosinha de minha neta de 9 aninhoscomo fazer pra minha namorada veste shortinho curtoconto esposa transa com marido se exibe pra molecadaMinha sobrinha ligia conto eroticoconto erotico de netaconto erotco mendigocontos eroticos de negros na praia de nudismocontos eroticos arrombando a gordaContos eróticos, ai tio, goza na minha mãocontos eroticossobrinha brincando com bonecaxvidio minha mina sai para tranpa e eu como Minha sogra xvidiocalcinha usada contos eroticoscaipirinha conto eroticofiquei olhando o travesti encoxando meu marido no onibuscontos de.sexo com tiazofilia br fundo galinhapapai e seu amigo comeu meu cuzinhocontos escola sexopau atochado no rego da joanaContos eroticos tio belicao nos seios contoseroticos nora fio dental dContos eroticos c imagens v puta de meu sogro e do cunhadoconto erotico férias na jamaica Vcontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anoscontos eróticos comedor a família todapaguei pra fuder o cu da minha filhaContos de Cornos magoado com esposa porque ela fudeu com outro sem sem ele saberconto.erotico.tia.sogra.cunhadaprofessor cacetudo comendo o cuzinho do menino afeminado no banheirocontos eroticos/narrafos safadod/gemidosconto mulher casada rabuda dei pedreirocontos eroticos de menina de nove anos dando o cucontos eroticos eu minha mulher e um travestiscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentefudendo a filha da empregada contos eróticoscontos eróticos flagrei meu marido com consolomeu vizinho no meu colo contoscontos fui cornogostosa acediou o massagista pornocontos minha namorada me fez corno com vizinho marrentosexo gay titio okinawa ufa contoscontos eroticos de cunhado transando com a cunhada casada com o marido dela aceitandoconto erotico com homens mais velhoscontos de sexo gay insesto depilaçãofui encoxada no tremConto erótico de laraa saga de uma puta contos eroticoporno fetiche dar mendigoscontos flagreii meu subrinho mastubando com calcinhaContos d cdzinha d shortinho curto socado no cuzinhocontos lesbic de patroas seduz secretaria para um transa lesbo pai da minha amoginha me comeu contoscontos zoofila casada abandona marido e filhos por um cachorroas coroa metendo a casa do corpo da pulsocontos eroticos do R.G.do Sulconto virgem enrabadasobrinha insesto contoContos eroticos da esposa safada com o marido deficientecasadas safadas e o marido sabe q ela da para os outroscontosela chupeu monhas bolas a noite inteiraContos de novinho chupando kct de caminhoneirocontos eroticos marido e esposaboa f*** mulher leva travesti para comer o maridoContos eroticos gosto de estupro seioslesbica estrupa mulher na brisao pornomulher chama homem pra chupar sua b***** dela já foi gozar e alguns amigos queridosConto sogra idosa sexo genrocomi uma egua na roca contotravesti pito durocontos eroticos no condomínio de chácarasler relatos de garotas que gosta de "loirinhas greludasconto veridico gozada dentro xoxota recife