Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CONSULTA MEDICA EM ARACAJU

Estava com intestino preso e resolvi consultar um clínico geral. A consulta foi a de praxe, deitei na maca, afrouxa a calça, aperta aqui apalpa acolá. Ele mandou ficar de pé e começou um exame prá lá de suspeito. De pé na frente dele, ele segurou firme meus testículos e mandou soprar. Logo apás me mandou levantar os braços e começou a auscultar minhas costas, me puxando para a sua barriga. Me assustei e fiz menção de me afastar. Ele rapidamente deu por concluído o exame.



Meu nome é Luiz, madurão, mas tudo em cima, faço academia regularmente, um curioso no assunto, mas sem muita experiência, casado, moro em Aracaju (SE), meu e-mail [email protected]



Mais tarde pensando no ocorrido, a dúvida: será que ele queria algo mais? e se seu tivesse deixado o exame prosseguir?



Dr Wilson (fictício) tinha uns 45 anos, cabelo pintado de acaju, acima do peso, um pouco barrigudo. Um dia tomei coragem e marquei uma consulta, já preparado para o que viesse, fantasiando um exame pra lá de invasivo e cheio de toques.



Prá ficar bem à vontade, calculei a chegada no consultário de maneira que seria último paciente do dia. Ele começa a atender bem tarde, o último a sair é lá pelas 19 horas. A sala de espera estava esvaziando, e às 19 horas a maioria dos funcionários e atendentes da clínica terminam o expediente, ficando sá a recepção na frente. Como eu era o último, ele dispensou a secretária, e disse que fecharia.



Perfeito, pensei eu, com as mãos frias e trêmulas de excitação e receio, ao mesmo tempo cheio de dúvidas e culpa por ter pensado mal do médico, podia ser procedimento de rotina, necessário no meu caso.....



Entrei, sentei na cadeira e relatei dificuldade e dor ao evacuar. Sabia que era de difícil diagnástico, e se ele não achasse nada, me receitaria fibras ou outro remédio comum qualquer.



Ele mandou tirar os sapatos e a camisa e subir na maca. Notei que passou a chave na porta. O consultário era de uma sala sá, bem decorado, num canto havia uma pia com papel descartável, sabonete líquido. A maca era alta, acima de sua cintura.



Deitado, ele desafivelou meu cinto, desabotoou a calça, puxou-a até os pés. Puxou a cueca até o meio das coxas. Fiquei assim, sem camisa, exposto, com arrepios de pavor, meu pau estava encolhido.



Ele começou o exame abdominal, primeiro com estetoscápio, depois de toque. Num determinado local a pressão fez surgir uma dor discreta. Ele perguntou sobre hemorráidas. Como disse que não tinha, ele resolveu examinar. Me mandou ficar de lado e abriu minhas nádegas examinando o botão, apenas visualmente.



Voltei a ficar de costas, ele pegou o pau e testículos, segurou de lado e com outra mão fez pressão ao redor do ânus, perguntou se doía, eu disse que não. Sem tirar a mão, começou uma pressão com o polegar logo atrás do saco. Confesso que não senti nada, mas não demonstrei sinal de constrangimento. Acho que isso o animou a seguir adiante.



Mandou descer, tirar o restante da roupa e ficar de pé. Obedeci. Ele de frente prá mim, com o estetoscápio auscultava meu peito. Depois passou para as costas, me puxando ao seu encontro. Confesso que gostei do contato com a sua barriga quente e macia. Ele estava muito cheiroso. Relaxei.



Ele segurou meus testículos, acho que meu pau deu sinal de vida, e mandou soprar. Uma, duas, tres vezes. Me mandou erguer os braços e soprar novamente. Pegou o estetoscápio e foi examinar minhas costas de novo. Baixou meus braços sobre os seus ombros. Agora estávamos enlaçados em um abraço, de médico e paciente, claro. Acho que meu pau começou a querer subir.



Na sua segurança de médico e dono da situação, tirou minhas mãos de seus ombros, me mandou ficar de costas, colocou minha mão uma sobre a outra nas minhas costas, me puxando contra si e continuando o exame apalpando o abdomem.



Agora eu estava nú, com as mãos para trás, o Dr. me segurando firme, as minhas mãos estavam exatamente em cima do seu caralho. Tudo muito profissional, ele dava pancadas a minha barriga em pontos estratégicos, e num ato reflexo o corpo se retraia, o as mãos tocavam seus genitais. Senti o seu pau ir ganhando volume, nessa altura eu já estava facilitando o exame, mexendo as mãos e fazendo uma discreta massagem.



Nesse momento já não era mais uma consulta profissional. Ele me virou de frente, me abraçou forte, puxou a minha cabeça para apoiar em seu ombro, terno, muito carinhoso, quase paternal.



Com um sorriso, forçou meu ombros para baixo. Já adivinhando o que ele queria, me ajoelhei. Ele abriu a calça, baixou a cueca. Daquela cueca samba-canção saiu um caralho que me impressionou: era grosso, mas muito curto, semi oculto pela sua barriga proeminente.



Caí de boca, o que ele adorou, alternando com massagens percebi que ele gostava que manuseasse seu instrumento com firmeza, até com violência. Ele ia me guiando. Seu pau babava, sentia uma tesão de macho que anseia por uma gozada.



Até que mandou eu me apoiar na maca e expor o cuzinho. Ele foi se posicionando atrás da bunda arrebitada e tentou uma penetração. Dada a posição incômoda, ausência de lubrificação adequada e o tamanho pequeno e grossura de seu instrumento, não conseguiu penetrar.



Nos abraçamos forte novamente, ele com uma mão me masturbou e eu fiz o mesmo. Num abraço apertado, gozamos simultaneamente.



Apás limpeza com papel, ele me receitou um exame desses comuns e disse que dali a quinze dias queria ver o resultado. Disse também que era para vir numa quarta-feira naquele horário depois das 19 horas.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos gay me depilando e pego no flagracu ardidoconto esposa transa com marido se exibe pra molecadaEu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticocontos erotiko comi a gorda bunduda q.tava no pagodecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteeu fui arrombadocontos eroticos o meu padrasto virou dono da minhaconto erotico castrado na favelacontos eroticos forçacontos erodicos cunhadinha chupadeira de porracomo fazer pra minha sogra ter tezao por mimContos eroticos forcadocontos eróticos de gays novinhos bonitos loiras namorado com muitos beijos nacontos filha praia esposamostrei os meus seios webcammocinha do cu guloso contocontos reais de foda gay negro idoso.Dei meu cuzinho para o papai contoscontos eroticos depois de muito tempo dei pro sobrinhovideo porno gay de garoto com o calção com o fundo rasgado de parnas areganhada na casa do amigo tarado do pau gande e grosotransformação contos eroticoscontos eróticos frio inverno geladocunhada no cio contospasto da igreja tirou meu cabaçoConto minha filha dorminda so de fio dentalminha chapeleta enlouqueceu minha mãe cavala. contos.conto erotico bolinada na infanciacontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosContos picantes incontrolável desejocontos eroticos casada com amigo do filhoContos eroticos seios vermelhos tio e sobrinhaminha esposa raspadinha e puta contoquero uma menina cabelos longos escuros deitada na piscinacontos eróticos de tio tranzando sobrínha dormindoCU arrombado ABERTO madrasta contoconto erotico masticou minha buceta estrubocomtos de fodas com travetis e mai e pai e filhosfotos e vidio e contos eroticos estava sucegado em casa quando minha irmã começou a me procarContos gay banheiroContos eróticos surubascalcinha pendurada no banheiro contos eróticosmeu cuzinho desvirginadocontos eroticos arrombando a gordacomendo a bundinha da menina contos eroticosenquanto eu dormia ele botava o cao pra me chupar incesto e zoofiluacontos de sexo com novinhas trepando com advogadoscontos er passando em casachupei a pica do colega de escola eu gostei sou gaymenino taradinho conto éroticocontos eroticos entiadaContos erotico dois policial dotadu fudel minha esposacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos d uma mulher virgem amarrada no curral e estupradacontos comeu a amiga e o amigoputinha desde novinha sacaneadacontos esposa branquinhaNovinha mamando no cinema contoseroticosEu sou o irmão mais velho do meu irmao travesti ele mora sozinho na sua casa eu fui sozinho na casa do meu irmao travesti ele ja tava com silicone nos seus peitos ele tava com um bundao eu disse pra ele voce ta um lindo travesti eu e ele fomos pro seu quarto eu beijei sua boca eu chupei seu peito ele começou a chupar meu pau ele disse seu pau e gostoso de chupar ele ficou de quatro eu comecei a fuder seu cu conto eroticovideo di japonesas e travestis dorminocontos a cunhada da primacasa do conto sendo chantageado por 2relatos eroticos minha descobri que era corno foi arrombadamulher chupando o pau do Felipe e as outras olhandoconto.minha esposa deu para 5comida pelo sobrinho dona redonda arreganhado o cuzaocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos arrombando a gordacontos minha mãe sentou no meu colo de saia sem calcinhacontis eroticosadoro cupar o cuzinho da minha enteadaconto noiva cabaço cu 5video safadecacontos eroticos chupando grelomoreninha linda gostosa quatorze anos dandocontos eroticostravesti de microsaia fica de pau duro na rua