Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMO INICIEI MINHA IRMÃ NA SACANAGEM...

Isso se passou há um bocado de tempo, mas fico extasiado com a recordação. Eu tinha 19 anos e a minha irmă, 20. A minha irmă era lourinha, tipo mignon, peitos bonitos e redondos, tipo moça séria, recatada, melhor aluna da Escola Normal. Tínhamos um relacionamento aberto e amistoso, mas o que ela năo suspeitava era que eu vivia morrendo de vontade de fodê-la.



Um dia, entrando em casa pelos fundos, ouvi uns gemidos abafados. Fui me aproximando na ponta dos pés, abri a porta devagarinho e percebi que os gemidos vinham do quarto. A porta sá estava encostada, e pela fresta eu vi a minha irmă, nuazinha na cama, masturbando-se e olhando uma revista de nu masculino. Fiquei contemplando a cena, extasiado, com o pau completamente duro. Ela tinha um corpinho lindo: peitos durinhos, redondinhos, de bicos rosados, e uma boceta bem peludinha. Ela friccionava freneticamente o seu grelinho, contorcia-se e apertava os peitinhos, gemendo baixinho:"Ai,ai,que gostoso, como seria bom se um pau estivesse entrando aqui,ai,ai...".Quando gozou, ficou estendida na cama, de olhos fechados, pernas escancaradas. De frente para ela, numa distância de apenas dois metros, eu pude contemplar nitidamente a sua boceta vermelha, com o grelinho lindo, apetitoso. Saí devagar, corri para o quintal e bati uma bela punheta.





Um mês depois dessa ocorrência, estávamos os dois sozinhos em casa, vendo TV, com ela deitada no sofá, vestida com uma saia e uma blusinha. Estava sem sutiă, pois notei os bicos do peito empinados, quase furando a blusa fina. De repente, ela me disse que tinha muita vontade de possuir um relágio de pulso. Eu tinha recebido um bom dinheirinho da minha madrinha no Rio de Janeiro e ofereci: "Posso te dar o dinheiro para comprares o relágio". Ela arregalou os olhos, contente: "Verdade, tu me dás o dinheiro?" Eu respondi, sério: "Sim, te dou, mas com uma condiçăo". Ela estranhou: "Condiçăo, qual é?". Fiquei com medo de que ela se indignasse e, revoltada, fosse se queixar para a nossa măe, mas arrisquei:"Sabe, Maria, tu tens uns peitos lindos. Deixa eu pegar e mamar neles, sá isso. E te dou o dinheiro". Para minha surpresa, ela năo mostrou raiva, mas, como toda mulher, começou a fazer um joguinho de gato-e-rato: "Mas, sou tua irmă, isso é um pecado". Eu nem deixei ela terminar a frase: "Pecado nada, isso é besteira, afinal queres ou năo queres o relágio?". Ela me olhou, vermelha, envergonhada, e respondeu baixinho: "Mas tu juras que sá vais mamar nos meus peitos? Năo vais tentar fazer mais nada? Eu sou virgem, meu cabaço sá quem vai tirar é o meu marido, quando eu casar". Tu juras que năo vais tentar me fazer nada de mal?" Respondi, contente: "Eu juro, minha irmă, eu juro! Mais vermelha de vergonha ainda, ela murmurou: "Quer fazer agora? Já com o pau durăo, ameaçando arrebentar a calça, eu respondi: "Sim, agora, já". Entăo ela tirou a blusa e os peitos lindos saltaram convidativos para fora. Năo perdi tempo e passei a chupá-los com todo carinho. Enquanto chupava um peito, eu acariciava o biquinho do outro. Năo demorou muito para que o seu instinto de fęmea começasse a reagir. Começou a gemer baixinho e a apertar a minha cabeça: "Ai, maninho, isso é gostoso, muito gostoso". Observando que ela já estava dominada pelo desejo sexual, eu tornei-me mais ousado, passando a măo pelas suas coxas. Ela reclamou: "Aí năo, aí năo, olha o que me prometeste!" Eu a acalmei: "Calma, maninha, calma, é sá um pouquinho, sá para te dar prazer. Juro que năo conto pra ninguém, juro. É sá uns carinhos, para te dar prazer". Ela năo disse mais nada e continuei chupando um peito, bolinando o bico do outro, passando as măos pelas suas coxas e, de repente, peguei na sua boceta, por cima da calcinha. Senti que a calcinha já estava molhadinha. Nesse momento, ela falou, arquejante: "Deixo tu fazer tudo que quiseres, menos tirar o meu cabaço, mas vais me prometer que năo contarás isso pra ninguém, tá bom?. Alucinado de tesăo, eu disse: "Sim, sim, faço tudo que quiseres, minha irmă. Tudo!" Entăo ela sacou fora a saia, depois a calcinha e eu joguei-me por cima dela. Dei-lhe um beijo apaixonado na boca, que ela correspondeu com intensidade. Depois do beijo, desci de novo para os seus peitos, chupei-os, mordisquei-os, suspendi-me do sofá com os braços e passei o pau pelos seus peitos. Por uns dois ou tręs minutos, fiquei fodendo os peitinhos da minha irmă. Depois, me virei, ficando com a bunda e o pau sobre os seus peitos, e a boca em cima da sua cabeluda boceta, projetando um 69. Minha irmã parecia inexperiente na prática sexual, mas, quando passei a língua pelo seu grelinho e o mordi delicadamente, e quando enfiei a lingua dentro da sua boceta molhada e arreganhada, a minha irmă se estremeceu todinha, apertou com as pernas a minha cabeça, gemeu, e perguntou: "Quer que eu chupe o teu pau?" Ora, mas que pergunta!... Tirei a boca da sua boceta e respondi, rápido: "Sim, minha irmăzinha, pelo amor de Deus, chupa o meu pau, chupa, porra!" E a minha irmă botou o meu pau na boca e passou a mamar nele. Para uma iniciante, ela chupava muito bem. Na verdade, essas coisas ninguém precisa ensinar. Na hora, o instinto é que ensina; e toda mulher já nasce puta em potencial. Sá năo se tornará puta se nunca lhe meterem um pau na boceta ou no rabo.





Daí a instantes, a minha irmă gozava deliciosamente. Tirou o pau da sua boca, ficou esfregando-o nos peitinhos, gemendo e fungando, como uma cadela no cio:"Ai, ai, ai, meu irmăozinho, tô me acabando, tô me acabando, aiiiiiiiiiiiii!... Quando ouvi isso, năo aguentei e gozei nos seus peitinhos. Depois me levantei, enquanto ela permanecia de olhos fechados, na languidez de fęmea saisfeita, e com a sua saia limpei o meu pau e o esperma dos seus peitos. Perguntei com carinho: "Gostou?" "Sim, muito". "Quer mais?" "Sim, quero". Deitei-me de novo sobre ela, beijando com paixăo a sua boca. Ela correspondeu também, enlaçou-me o pescoço, murmurando: "Somos dois loucos; que pecado, meu Deus, que pecado! Mas tô doida por ti, meu irmăo, faz comigo o que fazes com as tuas putas, mas năo tira o meu cabaço!" De novo, lambi e chupei os seus peitinhos, lambi o seu umbigo, enfiei a língua na boceta, molhada de novo, enquanto ela se contorcia, gemendo e murmurando: "Oh, meu irmăo, tu és um tarado, estás me viciando. Quero te sentir dentro de mim, sentir escorrer a tua gala dentro de mim, mas năo posso de dar o meu cabaço. Năo posso!" Aproveitei a dica: "Tudo bem, năo tem problema, Vira a bundinha. Vou gozar dentro dela." Ela năo reclamou e virou a bunda para mim; já estava amansada, já era uma puta nas minhas măos. E que bunda linda a minha irmă tinha, Santo Deus!Quando comecei a meter o pau, vi que o seu cu era virgem, com certeza; cheio de pregas, estava dificil para o pau penetrar. Ela começou a chorar e a gemer de dor: "Ai, tá doendo, tira, tira!" Eu me levantei e disse: "Espera, fica desse jeito mesmo, volto já". Fui lá no armário, peguei um pote de vaselina e lambuzei o meu pau. Voltei. Ela continuava deitada de bunda pra cima. Espiou-me por cima dos ombros e perguntou: "Que foste fazer?" Respondi sorrindo: "Melei meu pau de vaselina. Agora vai entrar macio no teu cuzinho". Ela riu. Já estava ficando safadinha!...Empínou a bundinha e o meu pau deslizou para dentro do seu cu, todo, até o fundo. Fiquei bombando devagar. Afinal, era um cuzinho virgem! Quando comecei a aumentar a velocidade das bombadas, ela tornou-se de novo uma cadela no cio: "Ai, meu irmăo, tu estás fodendo o meu cu. Oh, meu Deus, no cu também é muito gostoso! Fode o meu cu, fode, meu irmăozinho, e mete o dedo na minha boceta, mete!" E eu fiquei assim, por alguns minutos: fodendo o cu da minha irmă e com o dedo enfiado na sua boceta, masturbando-a. E ela foi aumentando o seu desvario: "Oh, meu irmăo, tu és o primeiro macho que entra dentro de mim! Vai ficar um buracăo no meu cu!Vou gozar com teu pau no meu cu, vou gozar.....Ai, ai, meu irmăo, meu macho gostoso, tu estás fodendo o meu cu, goza dentro dele, goza, querido, goza,ai, ai, ai, meu Deus, eu morro, eu morro..." E gozamos juntos, um gozo violento. Gememos juntos, como se fosse uma dor gostosa!







E a partir desse dia, passei a comer o cuzinho da minha irmă Maria, de vez em quando. Sempre fazíamos também um 69 gostoso. Mas eu năo estava satisfeito. Ela ainda năo era a minha puta completa, pois faltava comer a sua bocetinha. Todas vezes que transávamos, eu tentava tirar-lhe o cabaço, mas ela năo deixava, com medo de perder a virgindade ou de engravidar.







Mas continuei tentando. Eu tinha que descabaçar a minha irmă, comer aquela bocetinha gostosa! Eu estava ficando cada vez mais impaciente e mais louco para foder a sua bocetinha, mas ela sempre dizia năo! Até que um dia...







Mas isso contarei no práximo relato.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos comi minha filha gostosa na casa delaesfregacao de rola contos amigos punheteirosfodendo uma égua no estaleirocalcinha ate joelhos contos eroticoscontos dei a xota pro mendigocontos eroticos mamando o peitao da patricinhacomo arrombada pelo meu sogro contos eroticoscontos erótico encoxada gay e gozadaminha mulher deixou a calcinha suja de porra no banheiro contos eroticosdesejo sexual pelo sobrinho contosassistir vídeo de pornô a tia chega a pesar em casa jogar e o sobrinho da mãe com ela e transa com elamalhadinha de cabelo vermelho malhadinha malhadacontos eroticos casada dormindo chovendocontos de coroa com novinhocarlão socando ate as bolas no cu da vadiacontos eroticos pai filha e genroconto dei minha buceta pro mendigocontos minha cunhada e minha namoradacontos eróticos mulher de traficante dando pra galera todapornodoido transando na frente dos outros discretamentecontos minha filha 11aninhoscontos eroticos brincando de cavalinho com padrinhovidio porno enchada qualculadacontos eroticos minha maefez um boquete em mimbaixa vidio mulher esfrega buceta na boca homem e solta porra na barriga delecontos desde pequena meu pai mandava eu xupa pauContos pornos entre sobrinhos e tiaspeguei minha sigra dormindo sem calcinha e meti a pica nelacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto erotico trepei com meu primo engravideicache:A_ULZ8FKkSgJ:okinawa-ufa.ru/home.php contos eroticos da minha tia amadorascontos eróticos irmão e irmaquero tua jeba rasgando meu cuputinhas de quinze anos xexo uricuiacontos erotiko sou coroa loira meu carro quebro na estradacontos eróticos mulecada"contos eroticos" duas cunhadasvomitando contos eróticoscontos calcinhacontos erotico mayara piercingcontos eroticos de menina de nove anos dando o cudei para um negão desconhecidocurtos relatos eróticos de estupro fortixvideo do cunhado pecado a cunhadinha a fosa gozado dretro da boceta delaChiquinha gostosa melada de tesãoconto de coroa negraContos eroticos homens estuprano gravidascontei para minha amiga que trai meu namorado e o namorado dela com seu amigos me comwramcontos rola gigante na bucetinha da esposacontos flagreii meu subrinho mastubando com calcinhaconto erotico gemendo com mibga filhaconto erotico de travesti cagandozoofilia ela casou com negao mais quando viu o tamanho do pau enorma dediu ajudaa maeo cu rosinha de minha neta de 9 aninhoscontos heroticos muheer arrummando amante p maridoconto meu marido acha que sou santa mais ja dei o cucontos eróticos vovó caminhoneiro gaycontos eroticos arrombando a gordacontos zoo meu marido sem eu saber viciou o cao passando minhas calcinhas para ele cheirarcontos eróticos com mulher vizinhaContos eroticos ana paula contoserotico, sogroMamadas no pau do papai contoseroticospirulito do titio contos inocentedando bobeira de baby doll em dentro de casadepois de dar pro ricardao dei pro meu marido contocontos eroticos eu minha familiacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentewww.xvideos zoofilia.con.br corno ispiatravesti novinha de 15 aninhos contos eroticoscontos erotico minha mae me ensinou a se putainseseto commforcaarrombador de esposa contos cornosconto erotico de comi a amiga da minha filha