Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AMARRADA E DE CASTIGO

Duas horas havia se passado, ela tentou abrir os olhos novamente, em vão, tinha um capuz na sua cabeça, tentou pedir socorro, mas a mordaça era eficaz, saiu apenas alguns grunhidos sem compreensão. Tinha as mãos amarradas na cabeceira da cama e as pernas aberta amarradas aos pés da cama. Tentou se soltar mas não conseguiu, e se assustou com uma voz:rn- Acordou cadela?rnRebeca caminhava na praça, fazendo sua caminhada vespertina diária, ouvia música no fone de ouvidos, mas nem se dera conta de que havia esquecido a porta da sua casa destrancada.rnCaminhou por duas horas e retornou a sua casa, quando entrou em casa foi surpreendida com alguém que lhe segurou pelo meio do corpo com incrível força, e ao mesmo tempo, tapava sua boca e nariz com um pano, sentiu o cheiro de eter invadir suas narinas, e poucos segundos bastou pra tudo escurecer e ele acordar na sua cama amarrada e amordaçada, sem poder fazer nada.rnrn- Acordou cadela?rn- Hummmmm... - foi tudo que conseguiu dizer.rnO capuz que cobria sua cabeça foi tirado, demorou um pouco para acostumar-se com a claridade do quarto.rnEstava nua, mas não tinha percebido ainda. Alguém se aproximou e deu um tapa na parte interior da sua coxa que doeu muito, não estava acostumada com isso.rn- Hoje é sexta-feira até domingo você é minha, não vou te machucar, e se você se comportar bem, vai se divertir muito, e sentir um prazer que jamais experimentou, basta me obedecer, entendeu.rn-Hummmmmrn- Imaginei que tinba entendido, vamos começar então.rnO estranho mascarado pegou uma régua de madeira e começou a castigar o lado interior da sua coxa, ela tentou protestar mas sá saiu alguns sons incompreensiveis, o estranho continuou hora numa perna hora noutra até se cansar.rnGuardou aquele instrumento e pegou um pequeno chicote de tiras de couro, e desta vez castigava a boceta de Rebeca, fazendo com que ela experimentasse um misto de dor e prazer, continuou por uns quinze minutos, então parou por um momento pegou dois perdedores de mamilos e prendeu os bicos dos seus peitos, tirando de Rebeca gemidos de prazer e dor, e continuou batendo na xaninha dela que agora já estava toda vermelha, mais umas quinze minutos se passaram, e o mascarado parou de castigá-la.rnGuardou seu chicote de tiras de couro e pegou um vibrador, ligou no máximo e encostou na boceta castigada de Rebeca fazendo ela segurar a respiração e morder forte a mordaça, levou uns cinco minutos pra ela experimentar um gozo muito forte, e em seguida mais outro e outro foram quatro no total, ele desligou o vibrador pegou um plug anal enorme passou um pouco de lubrificantes e enfiou de oma vez no rabo dela, ela gemeu, e desta vez foi de dor, saiu e apagou a luz do quarto.rnCerca de duas horas depois ele retornou ao quarto, acendeu a luz, não disse nada, tirou o plug do cuzinho de Rebeca, soltou suas mãos e lhe disse:rn- Acaba de se soltar você mesma, e não tente nada entendeu?rnRebeca acentiu com a cabeça, desamarrou os pés tirou a mordaça que a fazia babar bastante, logo depois recebeu a ordem:rn- Vá pro banheiro, tome um banho e volte pra cá, tem trinta minutos, e não tente fugir, ou terei que usar a força.rnRebeca não disse nada, apenas obedeceu, tomou seu banho, pensou em fugir, mas tinha grade na janela do banheiro da casa dela, voltou para o quarto e tinha roupas em cima da cama. Uma saia lápis na altura do joelho, na cor preta, uma blusa de ceda na cor branca, uma calcinha e sutiã pretos meia calça preta, o mascarado mandou que ela vestisse.rnRebeca vestiu a roupa e ficou esperando, o mascarado pegou uma corda e amarrou seus pulsos atrás das costas um no outro com outra corda amarrou acima dos cotovelos, depois amarrou seus braços ao corpo. Com outra corda amarrou na altura dos seios formando amarrações cimetricas no corpo.rnLevantou a saia e colocou dentro da boceta um consolo bem grande e no cuzinho apertado um plug, puxando a calcinha por cima pra não sair. Pegou outra corda e começou amarrar as coxas fazendo um emaranhado de corda parecendo uma teia de aranha chegando até o meio da canelas, com outra corda amarrou firmemente os tornozelos, depois sentou Rebeca na cama, e foi ao banheiro, voltou de lá com uma de suas calcinhas usada, colocou dentro da boca dela e amarrou um lenço preto por entre os dentes bem forte e jogando ela em cima da cama e saiu do quarto.rnUma hora se passou, e Rebeca começou a gemer lá na cama, com isso deixando o mascarado irritado, ele voltou ao quarto novamente.rnO mascarado tirou o lenço preto da boca dela mas não tirou a calcinha fez mais, colocou dentro da boca dela mais duas calcinhas usadas dela e deu algumas voltas de silver tape ao redor da boca, pegou mais uma corda e uniu os pés nas mãos e ligou o vibro dos consolos tanto da boceta quanto do cuzinho dela e saiu do quarto voltando uma hora depois, Rebeca teve vários orgasmos assim como o mascarado havia dito.rnDesamarrou Rebeca tirou a máscara, mostrou seu rosto pra ela.rnRebeca não se espantou, apenas agradeceu seu Senhor por mais uma cena com ela.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto gay dando na apostaconto erótico eu e meus primos nu no lagominha iniciação gay contoshistoria porno gay, paguei boquete no amigo carloscontos eróticos gay marombasestuprada por quatro cachorros conto eroticoencoxei enteada no busaocontos eroticos namorado e amigo mesma camatanguinha suja contos eroticoscontos gay brincadeira de luta comi meu irmãozinhopornodoidonaolésbicas ninfetas comendo peitorais de travestiscontos eroticos minha esposaflavia e dois machosconto eu e minha esposa nua na piscinacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos exitantes fudi amadrinha da minha primaContratei um travestir e ele comeu meu cubucetinha rozadinhacontos eroticos a.xasada dot trabalhoadultas com seios e bundas fartas conto erotico de sogro fudendo a norafazenda de nudismovoyeur de esposa conto eroticotezões hentaimoças peladas passando margarina no corpo inteiro ate no cuirma feiz sexo comigo eu gozei na boca delatia gritando "me come sobrinho"contos sogra dando para o cachorrocontos de pervertidosmae mijando tesao contoscontos eroticos arrombando a gordaandava só de cueca no carro. conto gay teencontos eroticos gatinhascontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anoscontos gay me depilando e pego no flagracontos de sexo com animais rasgando com forçacontos erotica de estrupamento de ninfetosembebedei minha mulher e consegui comer o c* delacontos levei uma rolada do meu filhofui dominado pela esposa contoscontos velha casada fudendoNo cu da minha namorada amigo contos relatosgordinho do rabao contos eróticosconto comi a filhinha da empregadafudendo com manequim na fazenLóira safada narra conto metendo na coberturacontos felipe comeu minha mulhrerDeixando a novinha laceadacontos gays lekinhocontos eróticos minha mãe deixou que meu padrasto cuidasse de mimcontos eróticos mas que porra de meio irmãoConto eróticos de novinhas 2006contos eroticos zoofilia a loira burra eo cachorro taradoconto cunhada sheila adora dar a bunda quando marido sai para trabalharGozei na buceta da maninha e emgravidouo virgem comi uma egua preta contoconto de mulher casada crente com filhomorena elisangela dando o cuzinho gostoso de cabo friohomens lanbendo o xinou da mulher na cama fotosmenininha safada contos eroticosConto pauzudacontos eróticos com meu querido irmãoNamoradinha gozada contosjanaina vem senta na picacontos eroticos coroas crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos viajando sentadaviciada no pau do meu cachorropirulito do titio contos inocenteno assalto meu pai fudeu minha esposa na minha frente conto eroticoso cornos