Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ENRABADA NA ACADEMIA.

Olá, pessoal! Meu nome é Clarinha (Fictício), tenho 28 anos. Sou loirinha, olhos verdes claros, branquinha, pela bem cuidada bem aveludada. Sempre fui daquele tipo de mulher que gosto de ficar na frente do espelho me cuidando, passando cremes. No banho, pelo menos duas vezes por semana, me depilo, pra ficar bem lisinha. Formei-me em comunicação social, na cadeira de jornalismo. Sou bem expressiva, comunicativa, e independente, mas ao mesmo tempo mulher, meiga e atenciosa. Gosto de curtir amigos, um clima animado e bem conceitual. Na cama, adoro ser dominada. Amo quando o homem me faz de égua e monta em cima de mim e arranca o grito mais profundo. rnAdoro tomar no cú! Meus seios, são grandes, naturais, digo logo. Mas ninguém acredita, não sei por quê!rnMas vamos ao dia que pra mim foi marcante no que diz respeito a sexo. rnNem eu esperava pelo que aconteceu. rnSempre, malho as 22h30. A academia fecha as 00h. E neste final de hora sempre malho com uma amiga, e tem pouquíssimas pessoas na academia. Um professor chamado Elias Jr. (Fictício) sempre me olhava diferente. Ele tinha 1,80 de altura, musculoso ao ponto. Moreno e bem conversador! Um clichê no mundo atual onde qualquer olhar masculino acaba sendo um tiro na presa. Conversávamos, normalmente até que naquela noite, de malhação, decidi ser sacana. rnQuando fazia algum exercício na frente do espelho, fazia questão de abrir bem as pernas, pra deixar a vista, o molhadinho de suor que fica no shortinho bem em cima da buceta. Fazia questão de usar uma camiseta escura, mas sem sutiã. Deixava os homens loucos, e logo ele também. Até que quatro dias depois, numa sexta feira, ele decidiu tomar a iniciativa e quando me ajudava nos exercícios, roçava em mim. O sacana não se aguentava de excitação. E eu doidinha pré receber aquela pica na minha bunda. rnEstava no leg, quando ele se aproximou, e me perguntou o que faria naquela sexta, e se queria sair com ele. Com um sorrisinho no canto da boca e bem baixinho, falei que sim, mas com uma condição. Mas que falaria a condição, no fechamento da academia quando não tivesse ninguém mais ali. rn00h em ponto, mas ninguém, ele fechou a porta da academia me deu um sorriso, e falou: -espere, aqui que vou subir e fechar as portas e saímos pelos fundos. Tomada por um desejo forte, tirei minha roupas. Completamente nua, fiquei ali esperando.rnEle descia as escadas, falando alto, conversando comigo. Quando olhou pra mim, e parou; Ficou estatelado, sem acreditar no que via. Fui andando em sua direção, sua pica já dura não escondia o que na verdade queria. Abaixei seu short, olhando fixo em seus olhos, começava a chupar aquela pica, suada, com gosto de homem. Ele gemia, baixinho, com a mão na minha cabeça começa comandar a situação. Senti que minha boca naquele momento era como uma buceta, em um vai e vêm, desconcentrado e muito louco, aqueles em que o homem quer gozar rápido porque não se aguenta de tesão. Mas para me surpreender, sua mão me levantou, me ergueu, empinou minha bunda e sua língua entrava com tudo na minha bucetinha, agora era eu que não me aguentava. Sentia que meu grelinho, jorrava de vontade de receber aquele caralho, lindo e gostoso.rnSendo chupada daquele jeito, na minha mente sá pensava naquele caralhão com aquela cabeça grossa. Os beijos suaves foram subindo em minhas costas, suas mãos passando pelo meu corpo subindo até meus seios e sua pica entrando na minha vagina, bem devagarzinho.rnAh, que pica! Preenchia-me toda. O vai e vem era uma magia, meu gemido era ofegante e promíscuo. Entregava-me como uma puta, safada. De olhos fechados, sentindo aquela picona. Mas algo estranho acontecia, sentia como se suas duas mãos viraram quatro e como se sua pica virasse duas. rnQuando abro meus olhos, vejo um pica na entrada da minha boca. Mas como? Por quê? Olhei para o Elias, que ainda me bombava com força, mas com uma cara assustada, apesar do tesão, estar ainda bem maior. rnOlhando para o lado, mais três caras completamente nus, se masturbando olhando pra mim. Eram os caras que estavam malhando por ultimo, Ouvi de Elias um pedido de desculpas, e logo aquelas picas estava bem pertinho de mim. rnBom, dizem que quando o estrupo é inevitável, relaxa e goxa. Minha cabeça falou para meu corpo. E assim, resolvi aproveitar. rnElias acabou de gozar, sua pica logo ficou mole. Olhei para o lado, um dos deuses malhados pegou na minha cintura e me colou sentada em uma pica. Minha puta interior, adorava, dava saltos por aquele momento. O outro, invadia, com força meu cú, minha boca já estava num vai e vem alucinante na pica gostosa do loirinho. Minha mão brincava com o que restava. rnOuvia deles o quanto era gostosa e como manobrava bem varias picas. Gemia e gritava pedindo mais. Tapas estralavam na minha bunda e xingamentos invadiam meus ouvidos. Eu provocava, falando alto, os chamando de viadinhos que não sabiam comer uma mulher. Acho que a raiva subia a cabeça deles, porque começaram a querem enfiar duas picas na minha buceta e a me dar tapas na cara. Adorava! Pedia mais, e eles riam alto adorando tudo o que acontecia. rnAlguns minutos depois eles começaram a jorrar era porra pra tudo que é lado.rnEles de paus murchos, me beijavam, e passavam a mão em mim. Eu ria, e adorava. Abracei o moreninho e perguntei seu nome, me informará rapidamente que era Luiz. No meio deles, falei alto que antes que fossemos para casa ainda queria ter uma transa agora a sás com cada um, e que Luis ia ser o primeiro. rnComecei a beija-lo sua pica ora morta dava sinais de vida e já entrava me tomando toda. Sua boca não sabia aonde me beijava. Sua mão descontrolada não sabia o que fazia, eu ria, e falava para ficar calmo, que não queria que gozasse rápido. O menino, não conseguiu se segurar, e logo jorrava na minha bucetinha. Dei-lhe um beijo na boca e falei que o tempo dele havia terminado. rnLevantei, apontei pro loirinho e perguntei seu nome, respondeu ansioso, Rodrigo! Fui logo me apossando daquele corpo, se achando mais esperto me pegou pela cintura me colocou de quatro e logo tratou de preencher meu cúzinho. Mega apertado, suas estocadas, se revezam entre meu cu e minha buceta. Sua mão passeava em meios seios! Não passou 19 minutos e o entra e sai era como de um trem bala, tão rápido que quando começou a gozar, sua pica saia e jorrava na minha barriga. Mas não querendo me largar, me girou rápido, me pegou de frente com um gesto de sacana levou minha cabeça ate sua pica para chupar, o pau molhado com um gosto de buceta, e pica ao mesmo tempo. Adorei, subi olhando em seus olhos e lhe tasquei um beijão. Virei e sai andando até o magrinho alto. Nem falei nada e já respondeu Ygor. Ri com um jeito safado, e respondia a ele que parasse de se masturbar, porque não ia aguentar nem uma estocada. Dito e feito; Quando abaixei e mamei seu pau, gozou na minha cara. Dei um tapinha no seu pinto e um selinho e me dirigi ao quarto e ultimo dos amigos. Esse nem precisava perguntar seu nome, era o mais forte da academia, seu nome era, Diogo. Não falamos nada, enquanto me aproximava, ele se sentava em um banco, e se ajeitava, com uma garrafa de água na mão, que logo estendendo o braço, me deu, entendendo o que queria, bochechei, e cuspi ao lado, foi então que sua mão entrelaçou em meus cabelos, me colocou sentada, de frente, bem em cima da sua pica, que já dentro, me fazia começar o movimento. Sua boca passeava pelo meu seio direito que não me deixava aguentar de tesão. Como ele tinha o domínio! Não acreditava que enfim naquela noite ia me satisfazer, e logo com um troglodita, cabelo reco, super-forte, que não tinha um pau muito grande, mas a pegada. Putz, que pegada. Cada estocada parecia que me fazia derramar em um gozo profundo.rnSeu pau preenchia direitinho minha buceta. Não acreditava, como me comandava. Em um giro estava de costas, sentando com vontade, não me aguentava. Minhas energias tinham sido sugadas. Havia se passado 30 minutos ali, sendo o brinquedinho especial dele. Quando, cada movimento foi ficando mais forte, sua respiração anunciava seu gozo. E logo veio, sublime e suave! Gritei com gosto. Virei-me e beijei aquela sumidade do sexo. Seu sorriso era de superioridade. Levantei-me, em voz alta, no meio daqueles homens, todos, falei que a brincadeira tinha acabado. Era hora de ir! rnElias jr. o professor, acompanhou os meninos até a porta e fechou. rnMais uma vez, me veio, com pedido de desculpas, pois não havia visto eles enquanto fechava a academia. Eu vesti minha roupa, peguei minhas coisas e pedi a ele que me acompanhasse. Assim muito gentil, o fez, até a porta da minha casa, quando o surpreendi, pedindo pra dormir comigo lá em casa. Com um abraço na minha cintura, entrou apás mim, fui direto para o banho em meu quarto, enquanto pedi para que ele esperasse nú na minha cama. rnPois ainda queria mais, e queria com ele. Queria sentir o homem que eu dei bola. Ele assustado, pensando estar dolorida, ou chateada pelo acontecimento tentou fugir envergonhado da situação, foi quando, o chamei para o banho. rnLá nos lavamos. Quando ele passava o sabonete em minhas costas, fui encostando minha bunda em sua pica, que subia, no meio da fenda da bunda. Logo o lado do prazer falou mais alto e se ajeitou a ponto de me penetrar. Adorando aquela situação, gemia como uma puta, e logo, logo, gozamos juntos. rnNos beijamos, e fomos pra cama. Assistindo tv, caímos logo no sono e daí por diante começamos a namorar, mas ele sabe que, não sou fiel, muito menos quando se trata daquele deus grego que me pegou na academia.rnResumo da historia.rnPor um bom tempo fui à vadia gostosa dos meninos daquela noite. rnAinda sou namorada do professor, que me divide com aquele deus grego. às vezes, me rendo ao pinto alheio e sento sem pensar. Todos os dias, tomo pílula, quero ser vadia, mas não mãe.rnFaço exame rotineiramente, porque às vezes o tesão fala mais alto que a prevenção. E sento sem camisinha mesmo.rnUm recado para as mulheres. Prestem atenção o que temos no meio das pernas, nos faz rainhas e com grandes chances de dominar o mundo! Meninas nossas bucetas são fontes de poder.rnHomens, vocês são nossos escravos! Nada que uma buceta e um par de seios não os façam dizer sim.rnrnBeijos molhados, com gostinho de xoxota!rnrnObra de Ficção toda e qualquer semelhança é mera coincidência. rnObra do Conto Erático Brasileiro ? email´s [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico meu primo me enganou e comeu meu cuConto porno marido repartindo a mulher com cachorro de rua zooconto porno peoes no cioSexo no aterro do flamengotravesti jhuly hillsconto erótico gay taxista manausconto erotico minha namorada e meu tiocontos zoofilia namorada e a prima dela dando o cu pro cãominha filha fudendo com nosso impregados contoscontos etoticos meu marido faz eu dar para trasseMinha namorada deu a bucetacontos eroticos fazendo troca troca quando meninoconto casado dei pra travestiMeu Primo Me Decabaçou Sou Gaycalcinhas usadas da minha tia contoscontos eróticos assediada por minha amigaPai filha chuva dourada contos euroticosconto porno comi minha maeContos eroticos(colei velcro com a vizinha e gostei)Conto erotico socando até as bolas no rabo da irmã e gozandoporno contos eroticos fui comida pelo sapateirocontos eroticos casada e o farmaceitico negaocontos passando pomado no cu da mamaeconto erotico minha namorada trouxe amiga pra fuder com a gentePutinhos casada contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteMelhor transa contospau grande enfiadi. todo nicuconto cutuquei pau na bundia delaporno adivogada trepa com crierio massagista comeu minha namorada contoscontos eróticosprimoscontos eroticos arrombando a gordaContos eroticos de filhas adolecentes e papai com rola grossacontos titia curiosacontos de sexo de professoramae short filho conto incestovideos de mulheres mamandoleitee no peito da outracontos de incesto chupei a bucetinha de minha sobrinha na infanciabosque conto heteroconto trocando as filhasconto de mulher casada. com lesbicacontos gay descobri a mulherzinha que havia em mimcasadas safadas e o marido sabe q ela da para os outroscontosmama direito vadia csralhocontos eroticos velha e dotadoContos eroticos estuprada na favelacontos eroticos comi minha prima no rodeiorelato erotico buceta peluda da maecasa dos contos eróticos empregada doméstica na zoofiliacontos entalei ela no meu paucontos eroticos reais minha cunhada me seduziu e eu comicontos de traicao anal,postados no facebookcontos narcejaputinha desde novinha contos eroticosencoxei enteada no busaoconto erotico eu e minha sobrinha amanda safadinha em casacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos erotico castiguei a buceta da vadiaFui passear fui estupradoconto erotico esposa sozinhacontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadosContos de maes de bunda grandecontos eroticos viagem ônibusmulher traindo marido com u sogro aloprado conto erroticocontos eiroticos familia incestuosa cagando em estuprocontos a maluca punheteiracontos eroticos sobre gay arrombado pelo bombeirocontos elas gostam de chupar e punhetacontos erotico lesbico tirei a virgindade da minha irma com uma cenouraconto erotico viado velho humilhado por macho dominadorirmatezudaContos eroticos de velhas com mais de 70 anoscoletania foto engatada caovideo sexi coiada esticada de manhã cedoContos eroticos filha rabudalesbica dopando a amigacontos eroticos arrombando a gordacontos eróticos seduzindocontos a devassa do analfilha da namora conto erótico