Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ENTÃO ISSO ERA BULLYING?!? CAP II

Para nunca esquecer: a primeira vez.rnrn Ao final das aulas daquele dia, o Ricardo perguntou se podia me acompanhar até a minha casa. Obviamente que podia! Mesmo que eu negasse ele iria, era certo.rn Iniciamos o caminho mudos, ele e eu, até que num dado momento em que entrecruzamos os olhares ele disse que sentia muito se tinha me magoado e sido bruto comigo. Eu disse que sim, tinha ficado assustado com tudo, mas que agora estava mais calmo.rn Falou-me que tinha gostado de mim logo que me viu e que notou que eu gostava de meninos, mesmo que ainda não tivesse descoberto isso...rn Num dado momento, apontou-me uma passagem entre duas casas e me chamou para conhecer um lugar que ele considerava um esconderijo seu. Apesar do medo inicial, ele me deu segurança de que nunca mais iria fazer-me algo que eu não quisesse fazer.rn Passando entre os terrenos de duas casas, deparamo-nos com um campinho de grama tosca, seguido por um bananal. Fomos até o início das árvores e acomodamo-nos num tronco tombado de bananeira. Ele, então, olhando-me nos olhos perguntou-me se havia gostado do que tinha acontecido no banheiro da escola, ao que eu, timidamente (sei que corei ali), respondi que sim.rn Sem nem me dar tempo de reação, o garoto tacou-me um beijo, sua língua invadindo-me a boca. Correspondi, meio sem saber o que fazia, mas gostando daquilo. Estávamos os dois muito excitados! Ele tocou meu pinto e eu o dele, que a essa altura estava como uma rocha.rn Ricardo levantou-se, abriu a calça deixando saltar o membro rijo e brilhante, oferecendo-o a minha boca. Imediatamente correspondi aquilo, passando a língua na cabeça grande daquele pau, sentindo o odor e o gosto do membro masculino do marmanjo.rn Engoli seguidamente aquele mastro, que forçava minha garganta levando-me a engasgar de vez em quando. Com os olhos molhados de lágrimas (em função dos engasgos), olhava para o menino, com o olhar suplicante: queria mais! Queria algo a mais! Ele me levantou, abaixou minhas calças, deixando-me com a calcinha branca.rn Enfiou o pauzão entre minhas coxas, iniciando um vai e vem frenético que me levou à loucura. Antes que ele gozasse, como tinha acontecido no banheiro da escola, virei-me de frente, abaixei a calcinha, emparelhando nossos membros. O dele era o dobro do meu! rn Ele abaixou-se e começou a sugar meu pau avidamente, o que me deixou alucinado de tesão! Em seguida, virou-me, empurrando minhas costas, de forma que eu me curvasse para frente. Enfiou a língua áspera entre minhas nádegas, alcançando meu buraquinho virgem (ou quase, afinal, a duchinha de minha mãe já tinha penetrado ali). Aquilo foi muito bom! Ficamos assim por longos minutos, até que ele começou a forçar o dedo em meu ânus, melecando-o com sua saliva espessa. Pediu-me que ficasse de quatro, os joelhos sobre o tronco caído da bananeira e as mãos no chão, mais a frente.rn Totalmente vulnerável, a bunda para cima, pernas abertas, senti Ricardo encostar a cabeçorra do pau em eu cuzinho que ansiava por aquilo. Iniciou-se ali uma manobra lenta mas persistente que, a cada estocada, penetrava pouco a pouco minha grutinha desejosa. Havia dor sim, mas o tesão era tanto, o desejo de ser tomado de assalto pelo pênis rijo do garoto era tamanho que eu não queria nem saber.rn Em pouco tempo os pentelhos de Ricardo roçavam em minha bunda, enquanto a cabeça de seu pau batia no fundo do meu reto. Era uma dorzinha gostosa aquela! As mãos fortes do meu dominador seguravam meu quadril, apertando-me contra si. Parecia que ele queria entrar todo ali. Que delícia!rn Meu pauzinho duríssimo começou a pingar uma gosminha enquanto o prazer vinha se aproximando. Não demorou a chegar o orgasmo. Não toquei a mão no pênis e, mesmo assim, gozei muito gostoso!rn Ao ouvir o meu gemido de prazer, Ricardo intensificou os movimentos, de forma que podia-se ouvir o estalar de nossos corpos se batendo. Mesmo já tendo gozado, sentia-me em êxtase naquela situação. Os urros de prazer de Ricardo faziam-me sentir um prazer interior muito grande. Eu pedia a ele que enfiasse tudo, forte, rápido e ele obedecia, sussurrando que eu era sua putinha deliciosa, que ele nunca tinha sentido o que estava sentindo naquele momento!rnDepois de uma estocada firme e profunda, o menino tirou o membro do meu cuzinho alargado e me puxou para trás, pondo-me de joelhos de frente para o seu pau. Disse-me que queria que eu provasse sua porra. rnAproximei minha boca aberta do pau reluzente do garoto, a língua estendida para aguardar meu prêmio. Apás um instante, Ricardo começou a gemer alto, masturbando-se freneticamente. O primeiro jato veio morno e ralo, molhando meus lábios. Passei a língua limpando-os e saboreando o gosto do sexo. Pouco depois ele deu mais uma esguichada em minha boca, agora de uma porra espessa e quente. Aparei tudo e, em seguida, engoli. Abocanhei seguidamente o pirulito do menino, deixando-o totalmente limpo.rn Sentamo-nos, exaustos, sem nos falar por alguns minutos. Recompus-me, dizendo a ele que precisava ir para casa, antes que a empregada se preocupasse e contasse para minha mãe sobre minha demora.rn Seguimos o caminho num silêncio constrangido, até que, nas proximidades de minha casa pedi-lhe que ele não contasse sobre o ocorrido para seus amigos. Tinha medo de que meus irmãos soubessem de algo. Expliquei-lhe que se alguém suspeitasse do ocorrido, teríamos que parar e eu não queria isso! Ele concordou.rn Ao entrar em casa, minha satisfação era evidente! A empregada notou e disse que o dia na escola tinha sido bom, ao que concordei, é claro.rn Fui direto para o banheiro tomar banho e, nu diante do espelho, arreganhei minhas nádegas para tentar ver se aquela experiência deixara alguma marca visível. Nada notei, a não ser uma dorzinha no ânus quando eu o contraía e relaxava.rn Ato contínuo, fui ficando excitado com a visão de mim mesmo no espelho e com a lembrança de minha primeira experiência sexual. Resolvi que precisava acalmar esse novo tesão e abri o armário do banheiro procurando a ducha íntima de mamãe, mas, ao pegá-la já não a achei suficiente e preferi um frasco de perfume que havia ali, mais comprido e grosso que a duchinha.rn Passei no pote cilíndrico um pouco de creme para cabelo e besuntei o cuzinho com o excesso que ficou no meu dedo.rn Coloquei o tubo no bidê, sentando-me sobre ele, forçando-o lentamente para dentro de meu orifício desvirginado. A dorzinha que eu sentia me lembrava da penetração de Ricardo e isso me deixava ainda mais excitado.rn Quando a tampa do frasco passou pelo anel de meu ânus eu usei a mão para empurrá-lo todo para dentro de meu reto. Que delícia! Fiquei assim, fazendo um movimento de entra e sai, hora lento, hora rápido, até que, ao cabo de alguns minutos esguichei minha porra para o chão do banheiro.rn Antes de tirar o frasco do rego, levantei-me e, de costas para o espelho, admirei mais um pouco a peça entrando e saindo de minha bundinha gulosa. Adorei essa visão e jamais deixei de praticar esse fetiche de penetrar-me com objetos os mais diversos, o que me causa, invariavelmente, momentos de intenso prazer.rn Os dias que se seguiram foram intensos em experiências novas e excitantes. Para mim, a partir de então, tudo que podia se parecer com um pênis automaticamente me causava um tesão enorme: cenouras, pepinos, a cabeceira trabalhada em ogiva de minha cama... O pauzão do Ricardo explorou-me intensamente naqueles dias.rn Haveria muito mais por vir!rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto depravadacdzinha passiva. viciada em sexo contoeu quero ver anaconda chupando leite da mãecontos com fotos o guarda roupa da casada liberada do mansofodido pelo pegador do bairro conto gayContos eroticos em onibusA loirinha punheteira contos eróticosmulher madura em casa fazendo faxina bem à vontade sem roupa ou com roupa calcinha transparentecontos erotucos escritos lesbicos transei com uma nerdcontos eroticos encontro com coroa do chatsubrinho ve tia fazendo sexo araz da portacontos eroticos meu cunhado estourou meu cabacinhocontos erotico enganada mae e filhamulhe vais boguete em bebudovidio porno coroa usando perbuda curtinha mostrando metade da bundacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentedelicia conto heteroTRAVESTI PICAS CONPRIDAS GOZANDO EM BUCETAS ROZINHAS E CARNUDAfui encoxada no tremcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteaprovando a tia na rola i goza na bucetinhaEstuprada pelos cachorros contos eroticosmeninha rebolanotravesti leiteira contos eróticosContos corno mansocontos de sogras casadas dandoContos gordinha na infânciacontos eróticos meu marido eu e meu alazãoposso dilatar a porta do meu anus todo dia?contos eu chupei uma pica na gabineTransando com cunhado na carrinha e meu marido nem percebeumeu ex tem ficou duro eroticos contossexo contos eroticos como tio poulao comeu aninhaeroticos satisfaco mae na camacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos porno meu amigo pintudo arrombo minha esposacontos abusada pelo cachorroconto minha tia me chamou no banhocontos. minha irma casada é minha puta escravalavando a xana scheila carvalhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos/ morena com rabo fogosocontos eroticos nao aguentei ver a buceta gorda e rnchada da minha maecontos eroticos professoraconto comi gostoso bocetao da monha maever contos excitantes com fotos,na praia,no onibus e no mato."anelzinho aberto" gay contocontos gravidaa massagista negao contosfudendo deficie.te mentalmulherescontos verídicas de sexo em montes claroscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos sogra de 65anoscontos eróticos sobre prima bucetudawww.contos eroticos porno eu meu marido e o nosso cachorro fazendo dp zoofiliaconto erotico vizinha casada e velho pirocudopapai tirou do meu cu quis por na minha bocaminha namorada sendo encoxada no onibus mesmo eu estando ao seu lado contosfiz sexo com meu padrasto contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto erotico familiacontos de incesto minha filha sendo comidafudeno a amanda e nanda duas gostosinha mobilePorno pesado gordao arromba magrinha pono doidobuceta carnuda comtos de sexoReparei maquina de lavar para minha tia conto erodicoconto erotico virei escravo de minha professora safadaconto eroticos comi minha vizinha de 7aninhoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentebundonas de30anos no cuContos eroticos de de lindos travestis tarado por cuSo sadomasoquismo com maridos ciumentos contos eroticosputinhas de quinze anos xexo uricuiauma buceta enchada de ter cido estruprada samgrandocumi a bucrtina contos eroticosimagens do chaves metendo a pau na Chiquinha lambendo sua bucetaTRAVESTI CHUPÁ OUTRO TRAVESTI E BEIJO NA BOCA E FUMANDO O CIGARRO dava pra ver sua buceta,conto lesbicocontos rael eu miha mae sobrimasporn contos eroticos esposa de coleiraConto titia e madrinha