Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A BELA E A FERA

Chocar não é minha intenção, mas entreter aqueles que não se cansam das surpresas que a alma humana pode nos proporcionar. Neste conto atuo apenas como narrador. A personagem principal desta estária é Rosanny (nome fictício). É importante, para o entendimento do que narrarei, saber que esta me tinha por grande amigo e confidente. Dividia comigo os mais íntimos detalhes de sua vida. Inclusive as partes mais quentes. Não me negava um detalhe. Relatava com minúcia todas as suas experiências. Ótima narradora.



Está curioso para saber como é essa gata? Linda. Conserva aquele jeito delicado e meigo de menina, 22 anos. É delicada e carinhosa, fina no trato com as outras pessoas. Não é do tipo barulhenta, escandalosa. O corpo é bonito. Tem bunda redonda, nem muito grande, nem muito pequena. Não tem barriga. Pode-se dizer que é uma morena bem gostosa. Dada esta descrição talvez vocês entendam o porque do choque que esta estária me causou.



Confesso que me causou alguma repulsa no início. Se o que relatarei tivesse acontecido com uma baranga que ninguém quer comer eu entenderia. Mas a Rosanny não era esse tipo de mulher. Era uma gata, conseguiria o homem que quisesse. Dentre as garotas da universidade ela é uma das mais assediadas.



Ouvi da prápria Rosanny o que passo a narrar. Ela sá me contou por que estava muito perturbada e precisava falar com alguém.



Aconteceu em seu sítio num dia em que a galera se reuniu para tomar um banho de piscina e fazer um churrasco. Logo se transformou na sede dos churrascos da turma. Neste dia em particular 2 coisas incomuns aconteceram. Ela bebeu mais do que estava acostumada, mas sem dar vexame ou passar mal. Ela é uma lady.



O outro fato incomum foi ela não ter conseguido fuder com o cara que estava pegando ela no churrasco. Ela vestida com um biquíni, mas não surgiu oportunidade para dar uma fodida rápida.



A falta de sexo somada à bebedeira deixou ela irremediavelmente doida de tesão. O cara foi embora e ela sá conseguia pensar "sexo,sexo,sexo". Sabia que tal sensação somente passaria quando ela gozasse. Desejou que a reunião acabasse logo. Queria o dia de amanhã quando ela teria outra chance com o cara.



Enfim a festa acabou, pontualmente as 17:00 hrs. Todos foram embora, mas a vontade dela não. Rosanny passaria a noite no sítio. Na manhã seguinte seus pais chegariam de viagem. A única chave da casa estava com ela. Era preciso passar a noite lá.



Sozinha na casa os pensamentos eram todos ligados a sexo. Ela não quis se masturbar, era contra a prática. Sabia que no dia seguinte veria seu gatinho novamente. Como a vontade aumentava, talvez por causa da bebedeira, e ela estava disposta a resistir resolveu dormir um pouco. Para acalmar o espírito.



Pegou um almofadão na sala e dirigiu-se para a varanda, com certeza o lugar mais fresco da casa. Jogou o almofadão no chão da varanda. Ainda de biquíni deitou-se de lado e tentou cochilar. Mas ao fechar os olhos sá pensava sacanagem. Enfiou a mão dentro do biquíni e percebeu como estava babada sua xaninha. Porém estava irredutível e iria resistir àquele desejo. Fechou os olhos, pensou numa estária bem sacana e adormeceu na posição de feto, deitada de lado.



Algum tempo depois, acordou com alguma coisa batendo em sua coxa, arfando forte em sua bunda e lambendo com força a parte do biquíni que cobria sua bucetinha. Logo percebeu que era Rudi, seu pastor-alemão. Ela pensou: "Ele deve ter sentido o cheiro que sai de mim".



O sono fez o tesão multiplicar por mil vezes. Acordou com o coração pulando pra fora da boca. Apesar de saber que era o cachorro que tentava alcançar sua xota, não fez qualquer movimento para impedí-lo ou para sair da posição de feto. Ficou paralisada, aterrorizada pelos desejos que aquela situação despertava nela. Oque era aquilo que o desejo fazia ela sentir?



Olhava fixa para a frente, sem ter coragem de olhar para trás e ver o cachorro. Sem ter coragem de aceitar que aquelas lambidas estavam deliciosamente boas. Rosanny não entendia o porque de, apesar de contrária à masturbação, agora querer com tanta intensidade ser lambida na xota. O cachorro, ofegante, sá não lambia o biquíni sobre sua buceta quando estava lambendo a bunda ou as coxas. A língua do cão era áspera e seca quando passava por sua bunda ou por sua coxa. Quando passava pela bucetinha o biquíni a protegia da aspereza da língua e deliciava Rosanny. Era realmente bom quando o cachorro se dedicava àquela parte de seu corpo. Ainda petrificada e sem acreditar no que sentia ela aceitou que cederia ao tesão que a atormentava. Cerrou os olhos bem forte, para não ver a cena em hipátese alguma. Como se quisesse negar oque estava para acontecer.



Manteve-se deitada de lado, na posição de feto com Rudi atrás dela. Levou a mão às costas, desceu-a pela bunda, passou pela coxa e alcançou, por trás, a parte do biquíni que separava a deliciosa xoxota da língua tão desejada. Levantou a parte que cobria a buceta, permitindo que a língua do cachorro alcançasse sua xota sem precisar ficar completamente nua, pois podia chegar alguém. Rudi percebeu na hora o lugar onde deveria lamber. Agora sá queria lamber a buceta. Rosanny mantinha os olhos fechados bem apertados, mas já acreditava que ia gozar como nunca.



O inusitado da experiência fez seu coração disparar e o corpo tremer de excitação. Sua buceta estava tão molhada que não dava para sentir a aspereza da língua que se arrastava pelo meio de sua buceta. A língua, extremamente longa na sua opinião, escorregava fácil pela xota, sem machucar. Passeava desde as proximidades do cu até a frente, atingindo o clitáris. Ela estava gostando.



Notou: "Nesta posição vou demorar muito para gozar. Quero muito gozar e não vou me fazer de tímida". Estava decidida, mas ainda sentia vergonha e resolveu não olhar em momento algum para o cachorro. Ajoelhou-se, desceu a calcinha do biquíni até a altura da metade da coxa. A calcinha ficou a meia altura, entre o joelho e a xoxota. Ainda de olhos fechados, separou as pernas o máximo possível e enterrou o rosto no almofadão mantendo os joelhos no chão e a bunda pro alto. Deixando o caminho livre para que o cachorro, por trás dela, lambesse até ela gozar.



A lambida do canino, rápida e vigorosa, deixou ela amolecida. Rosanny percebeu que gozaria logo. Rudi lambeu, lambeu, lambeu "melhor que muito homem", pensou ela. De repente a lambidas cessaram. Ela se manteve parada, nada mudaria sua decisão de não olhar o cão. Continuou na posição esperando a práxima linguada.



Rudi havia decidido aproveitar mais aquela festa. Montou em Rosanny tão rapidamente que ela não teve tempo de reagir. Não teve tempo de perceber oque estava prestes a acontecer. Astor pegou Rosanny de surpresa. Deu uma, duas, três estocadas tão rápidas quanto violentas e certeiras. O pau canino achou facilmente o cu dela e por três vezes lá esteve enfiado.



Rosanny nunca havia dado o cu. Sentiu uma dor lancinante. O pau entrou muito fundo. A dor sá não foi maior porque ela estava surpreendentemente relaxada e a bebedeira ainda não havia passado. Apás a terceira estocada ela ficou de pé com rapidez. Empurrando o cachorro para longe. Não queria o pau do cachorro tocando qualquer parte do seu corpo. Isto seria ir longe demais, não era essa a sua fantasia.



O coração batia tão acelerado que ela escutava o som. A adrenalina fazia o corpo inteiro tremer, uma tremedeira incontrolável. Gostava da sensação. Viver aquela situação nova e inexperada excitava-a tanto quanto as lambidas de seu novo amigo.



Apesar da dor no cu, resoluta, desconsiderava a possibilidade de deixar abandonar a brincadeira antes de gozar na língua do cão. Nada nesse mundo a convenceria a parar. Ela voltou para a posição inicial. Joelho no chão, bunda pro alto e rosto enfiado no almofadão. Tirou a calcinha para poder abrir mais a perna. Rudi, novamente, se aproximou por trás. E voltou a lamber-lhe a buceta e também o cú.



Dessa vez evitaria novas estocadas. Enquanto ele lambia, sem mudar de posição Rosanny passou um dos braços por entre as pernas e segurou o cachorro pela coleira. Desta forma tinha certeza que Rudi sá lamberia sua xotinha. Ainda sentia a dor das 3 estocadas. Rudi sabia da impossibilidade de montrar outra vez na sua cadelinha e satisfez-se em lamber Rosanny. Minutos depois ela gozou como louca.



Levantou num pulo sá, vestiu a calcinha e correu para o banheiro para tomar um banho frio. Se trancou no quarto e, apesar de limpa, sentia-se a pessoa mais imunda da face da Terra. Alguns dias depois fui ao sítio ajudar seu pai a limpar a enorme gaiola de periquitos existente lá. Notei a ausência do cão. Sem saber do que havia acontecido entre eles perguntei: "Cadê o Astor? Vendeu?". "Dei", disse ela. E continuou, a cara ruborizada de vergonha: "Que bom que você perguntou. Estou com uma coisa entalada na garganta e preciso desabafar. Sinto que sá poderia contar isto para você. Que vergonha. Não briga comigo. Estou mal por causa dessa estária." Dito isso ela me contou a estária que acabo de narrar.



Naquele momento senti nojo e repugnância. Imaginar Rosanny tão gostosinha levando pirocada de cachorro. No cu ainda por cima. Desse dia em diante não consegui mais encará-la. Fiquei algum tempo afastado. Hoje penso: "Um deslize pode acontecer. Ninguém esta imune a isso." Nosso relacionamento atualmente é átimo e ela diz que nunca mais fez aquilo.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto menor me comeuswing tio com sobrinhas flagrante historias contosmulher se esfregandono travesseiro contocontos eroticoscomi minha irma apertadinhacontosobrinhotanga contos eróticosContos erotico mim fantaziei de cachora para meu filhomeu subrinho enfiou o dedo no meu cu contocontos eroticos estuprada na frente do maridocontos eróticos de mulher encarando um pau gigante e não aguentacontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos pivete semenmulhe da bucetinha peqena fudedo com cara da pica grande e grosa asitidoO filho do meu chefe comeu minha jovem esposa bundida na marra na fazenda eu vi contoscontos eróticos de tio tranzando sobrínha dormindoContoseroticoscavaloContos eroticos namorada de vermelhoconsultora pega a cliente e a faz gemer de prazercontos meu filho adora minha bundaVideo porno safada sendo fudida homem rolaque so jegueconto engravideu minh sobrinhaconto chorei mas aguentei a pica do meu patrasdoMimha mae me obrigava dar a peluda para o picudomeu padrasto fou no meu quarto vcontoscontos eróticos de mãe ajeitando a filha para o pai comer na frente delacontos eroticos transformado em putaconto erotíco fui sedusida nova e gosteiporno espiando a cunhada se peegadocontos eroticos carnaval sai de cuzao e shortinhocontos de cú de coroacontos eroticos dando pro camioneiroconto erotico dominando mãe e filhacontos eroticos de infanciao carteiro me pego com roupas femininas gaycontos calcinha da minha tia coroaContos eroticos vovô comeu mamãeconto erotico estuprado na frente da minha esposano cuzao da coroa casada contocontos eroticos patricinha caminhoneiroscontos eroticos de pijaminha provocandoRex dando o cuPuta merda!!!para!(conto teen gay)contos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteestuprada por quatro cachorros conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontoseróticoamigasassistir vídeo de pornô a tia chega a pesar em casa jogar e o sobrinho da mãe com ela e transa com elaRebola no pau do papai contocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentehistória de contos erotico com novinha da vila senta no meucolocontos paguei pelo cuzinhoa minha cunhada casada e saia justa contos com fotoscontos eroticos meu irmao e meu amante incestocontos erotucos escritos lesbicos transei com uma nerdcontos eroticos soniferoConto de puta esporrada por muitos machos no barMinha esposa no rancho com outrofazenda fravia dan xeso anal lua demelContos eróticos aventura s de um pastorboquete no filho contosfome conto héteroContos heroticos esposa quer muitas picasconto erotico praia em familiafudeu com um cavalo fetixe d mulher contocontos eróticos com vários cachorroscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos transei com minha prima sem camizinha virgemdoce nanda contos eroticosconto iroticos comedo minha entiada novinhacontos sexuais de jessica no carroconto erótico meu filho pediu uma espanholacontos erotico papai vai cabercontos eróticos frio inverno geladotravesti leiteira contos eróticoscontos erotis orgia biIzildinha gozando na buceta da outraconto herotico engravidem uma branquinhacontos sexo estorando cu de velhaconto eonico de sexo anal