Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A MÃE DO BRUNO- 5ª PARTE

5ª parte

O telemável dele acusa mensagem recebida. Era da mãe. Dizia textualmente “Querido filho que queres da tua mãe?? Beijinho”. Responde de imediato: “Querida mamã, vem aqui à mesa e senta-te de novo, mas não tragas soutien. Quero ver as tuas mamas soltas debaixo da tua camisa. Traz um casaco sobre a camisa para não causares muita estranheza no ambiente. Quero-te sem soutien e de mamas soltas e sem a tua calcinha. Quero a tua coninha bem liberta. Ela faz o que ele lhe pede. Ao sentar-se de novo na mesa, olha o marido e diz que afinal vem acabar a refeição que já está melhorzita. O Bruno olha para ela e observa-a a sentar-se a seu lado. Olha a mãe nos olhos e desce os olhos para as mamas, que estão atrás dos botões da camisa, espetadas pelo inchaço que produzem na mistura da tesão e medo angustiado com bicos e auréolas marcados na textura da camisa. “Mãe esta sobremesa está muito boa! A tia é muito boa na cozinha!! Tens de nos fazer um docinho!!” e olha atrevido para as mamas da mãe. O pai concorda absorto na conversa com o tio e a sogra... as lágrimas e o peso da dor da morte que está ali desfeito no tempo, há cerca de uma hora. “Bruno o teu telemável tocou há bocado, quem era??” “Pai era uma mensagem erática” responde maroto e brincalhão. “Miúdo, Quem te anda a mandar essas porcarias??” A mãe olha-o meio assustada. O Bruno vira-se para ela e depois para o Pai. “Pai não sei... alguma doida!!” A mãe está vermelha. A conversa retoma o curso na mesa. Ele e a mãe regressam de novo ao seu escutar. Ele olha para ela e diz-lhe ”Não te portaste bem comigo!!” “Porquê??” indaga a mãe. “Nada”: Envia nova mensagem para ela “Mãe quero esses 2 botões da camisa abertos para te ver as mamas, sá um bocadinho. Depois, quando estiverem bem despidas aos meus olhos eu deixarei cair um garfo e tu baixas-te para o levantares e passa-las pelos meus joelhos... e passa a tua mão no meu pau!! Depois de trazeres o garfo, podes fechar os botões da camisa.” A mãe morde os lábios ao ler a mensagem. Olha muito furiosa para ele. Não sabe que fazer. Mas depois olhando para todos e vendo que ninguém olha para eles, lembra a fotografia que o Bruno lhe enviou. Numa, ela via-se desnuda beijando e succionando o caralho do irmão; Via-se a ser fodida pelo irmão na outra; Que mais haveria o Bruno de possuir de prova da sua relação incestuosa? A angustia e o medo de ser descoberta apoderam-se dela. Não havendo nenhuma fuga na sua cabeça para fugir do beco em que estava situada resolveu começar a desabotoar a camisa e a expor os seios aos olhos do filho. Fá-lo devagar e olhando à sua volta, perscrutando algum olhar distraído que pudesse cair naquela atitude inevitável. Sim ela não o queria fazer, mas como proceder em alternativa? O filho já se mostrara bem decidido. O malandro estava a fazer crescer nela um sentimento mistura de impotência, de tesão doida e pavor que os outros descobrissem o que se passava. Não tinha agora nenhuma solução para evitar servir ao filho os seus desejos de sexo. E ela mãe dele como poderia naquela confusão, conversar com o filho para o acalmar? As paredes deixavam passar os sussurros, quanto mais uma conversa... Ainda não houvera espaço para o levar para fora de casa e chamá-lo à realidade. Não via como proceder de outro modo... Com os olhos pergunta-lhe se já chega. Ele com os olhos cheios de gula sexual ordena-lhe que abra mais um. Ela abre e quando as mamas estão bem expostas aos olhos do Bruno em toda a sua grandeza e esplendor e furor sexual, deixa cair um garfo no chão para o seu lado esquerdo, para que esta o apanhe debruçando-se com os seios sobre o seu colo onde o caralho já se encontrava solto e duro fora da braguilha; depois, prende os olhos da mãe que o olha com olhos cobertos de lágrimas e revelando um medo que lhe enevoa os sentidos sentindo a cona a gemer sem a protecção da calcinha e sentindo directamente a dureza da cadeira a fazer contacto em seu grelo atesoado e duro. Afasta-se ligeiramente da mesa. Pousa a mão direita na mesa e com a outra protege a camisa para que as mamas não saltem para fora da roupa e se exponham aos olhos dos presentes. O Bruno está de olhos fixos em todos . Vigia o ambiente e sente que todos se encontram lamuriando o avô. O seu caralho está cheio de um quente e um formigueiro que lhe sabe bem. Vê a mãe inclinar-se para ir recolher o talher. Ela fá-lo raspando-se e encostando as mamas a ele. Sente que as mamas lhe deslizam pelos seu braço direito como o lento contacto físico da almofada carnosa daquelas mamas rijas que se serpenteiam e rosnam na sua pele eriçada. O contacto das mamas deixam a sua tesão num ponto de quase delírio e o caralho pulsa em movimentos de pulsação ritmada pelos espasmos da tesão das tetas da mãe. Aquele contacto do movimento do corpo dela a inclinar-se e abaixar-se para sobre ele esticar a mão esquerda até ao chão provoca nele um pau esticado e pulsando contra as mamas dela; Ele sentia que aquele corpo seria fodido até aos limites do que ele entendia o sexo com uma mulher. Ela deixa as duas mamas escorregarem ao longo das coxas do filho sentindo com suada humidade na cona o prazer do punhetar o caralho do filho com as mamas; encosta-as e massaja-as contra as pernas e o caralho deliciando-se com a força daquela bomba fuziladora que a queria romper; deixa-as sobre o caralho que sente pulsar suplicando nova punheta; mas agora as mamas seriam a massagem mais desejada para fazer explodir o liquido espesso e branco que pulsa por sair de seus tomates; ela leva a mão ao garfo que está estendido no chão e sente que a mão do filho está nas suas costas acariciando-as; sente um arrepio subir pelas costas; o seu cu e a sua cona gemem de prazer; Há um espasmo de ambos, pedindo por caralho; ela sente que a mãos do filho exploram as suas mamas pelas zonas em que estão expostas; ela afasta-se do chão e ao afastar as mamas do colo do filho este acaricia-lhe os bicos escuros, tumefactos e entesados; o arrepio torna-se mais agudo; o filho contempla embevecido a silhueta magnifica de seus seios desnudos; sente que deve afastar-se, porque se alguém acaba por se aperceber do que se passa, irá ser uma vergonha para ela. Ao chegar com o garfo á mesa depois deste movimento, olha o filho e pousa o garfo ao lado do prato. O filho não desvia os olhos das tetas da mãe. Este está petrificado e saboreia com um olhar matreiro a angustia e a tesão de sua mãe. Ela levanta-se e vai para o quarto, escondendo as mamas sob os botões da camisa. Vermelho e de novo pujante o Bruno regressa de novo à conversa da família; O avô, o choro e o sofrimento de todos; O pai e o tio têm conversa perdida, as oliveiras, a vinha o porco e os carneiros que estão nas hortas do avô. Ele levanta-se e diz ao Pai que vai ver se a mãe está bem . Bate na porta que se abre e mostra uma mãe a chorar e de olhos muito tristes e mergulhados em terror. Entra, gira a chave para trancar a porta do quarto e pergunta à mãe “Mãe estás a chorar???” “Sim meu filho!!” “Não me atormentes mais por favor!!” diz ela deixando-o entrar e vendo-o mover-se de um para outro lado num semicírculo à sua volta olhando-a matreiro e mostrando que lhe dá prazer vê-la assim encurralada e atordoada no silencio do quarto e apanhada pela surpresa de tudo o que já acontecera e pelo atrevimento de seu filho em vir ali ao quarto ter com ela num momento em que tentava fazer um ponto de ordem na sua cabeça. A mãe suplica-lhe para ele não a humilhar mais, para respeitar a mãe dele. “Mãe respeitar-te? Mas eu não te desrespeito!! Eu amo-te mãe!! É tudo por amor minha querida mãe!!” e com o dedo de uma mão em riste nos lábios faz um gesto de pouco barulho com o silvo característico dos lábios, ao mesmo tempo que continua com o seu andar em semicírculo em redor dela, segurando com a outra mão o seu telemável onde passava as várias fotos em que se exibia a mãe fodendo e fazendo broche ao tio. Entretanto, o jantar acaba e todos se levantam da mesa. O Pai gira o manipulo da porta do quarto que não deixa abrir a porta por esta ter a fechadura com a roda da chave dada. Lá dentro, a mãe fica sobressaltada e vai falar, mas o filho aproxima-se dela e tapa-lhe a boca com a mão e enrosca-se no corpo dela sentindo os seios a fremirem contra ele. Depois dirige a boca para a boca dela e beija-a. Enrola a língua na da mãe que primeiro o recusa, mas depois sentindo o marido do outro lado desesperado para entrar, sucumbe, quebrando-se-lhe a pouca força que ainda lhe restava para lutar contra o que se passava e nos braços do filho abandonada deixa-se beijar e corresponde ao beijo do filho, deixando-se penetrar pela língua deste recebendo-a na sua boca e enrolando-a em caricias com a sua, em abundante saliva lubrificadora; Cede aos seus desejos abrindo-lhe as mamas para serem gozadas e punhetadas, entumescidas e gorgolejando a tesão pelo corpo a tremer. Sente a mão do Bruno de novo invadir a sua cona levando a saia pernas acima e acariciando-lhe as coxas. Os dedos massajam a sua humidade e sentem o gemer espasmádico da sua cona. Cede ao filho quando este expõe o seu caralho e afaga-lhe o caralho com a mão em punheta gostosa, depois agacha-se e deixa as mamas no caralho do filho fazendo com elas uma masturbação que acaba em explosão de sémen espalhado por sobre as mamas, a cara e boca dela. Depois separam-se os dois e a mãe afasta-se para o outro lado da cama e o Bruno abre a fechadura da porta do quarto. Entreabre a porta, guardando o caralho e diz ao pai. “Pai a mãe está muito triste... ela está mal... pede para a deixarmos descansar um pouco!!” E sai com o Pai para a sala a conversar sobre o sofrimento da mãe.

Vou continuar, mas se está gostando, me diga algo para [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico viado novinho escravizado por coroa malvadoNegão dotados contoseróticos"anelzinho aberto" gay contoEu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentebucetinha gostosa da menina calcinha Contos Maecontos eroticos levei rola com meu marido en casaContos de loiras com negroscomi meu aluno lercontos curtpscontos esposa rebolou para,amigovirei cadela contos gayscontos er passando em casaconto eroticotravesti comdno coroas casadasmeu cu agora so de papai e mamae sabe contos gaycontos eróticos rasgando a calcinhacontos eróticos minha namorada e amigo no banheiro juntoscontos eróticos de gay comi o amigo do meu filhocontos de foder empregadaporno cunhada seio duro violadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentexvidio desejo incesto proibidocontos eroticos de Maezinha bobinha do amigis transando com jovezinhoMeu irmaozinho caçula me te penetroucontos mãe puta filha putacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto ajudando o filhoconto erotico fui no pagode e comi um travesticontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadosNovinha putinha conto eroticocontos eróticos traindo marido na salaos melhores contos de gang bangContos eroticos engravideicontos meu amigo dopou minha mulhercontei para minha amiga que trai meu namorado e o namorado dela com seu amigos me comwramcontos sadomasoquista vendida pelo maridocontos gay sou submisso ao meu irmão mais velhonamoradinha virgem do amigo contos eroticoscomida pelo sobrinho contos meu primo comeu minhas filhascontos eroticos meu cunhado rasgou meu cuContos eroticos esposa gosta de exibi e leva cantada nas praiasviajei e transei no onibus marido corno assumidocontos eroticos espiando a sograconto eroticos.chupcontos titia do cuzinho gostosocontos erotico gozei como uma puta velhaminha dani me fodeu me quando dormiContos eroticos dois heteros vodkaconto de arrebentando o meu cu com a pica grandecontos recentes incestuosas encoxada segredos flagradoscontos eroticos pivete semencontos um anjo de sobrinhaManinho me arrombou gostosoContos de sexo minha esposa deu a buceta pra os pirralhosminha esposa deixa a buceta cabeluda e da pra o meu melhor amigo em relatosminha irma envagelica encestocontos eroticos comi minha prima no rodeioquad erotico a apostagozando pelo cu contos eróticosvedio de puliciais revistando os bonitois e chupando o pau delismalandrao dando o cuzinho pra boy malhado contocontos eroticos segredos de familia parte 4Mamaes boqueteiras contoseroticoscoroas homens velhos nojentos sexo relatocomendo a deficiente contos eroticosConto erótico na casa do tio tarantoAcordei com o cuzinho cheio de porra contoscontos eroticos tios gordinhos tirando o cabaço do cu do sobrinho novinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteprofessor peludo conto gaycontos eroticos comendo cu da tia com primo e tiocontos eroticos incesto ensinei minha filha fudero que sua esposa achou do menage feminino